MAB segue em luta contra a privatização da Eletrobras junto a organizações sociais de todo o país

Centenas de trabalhadores se reuniram hoje em frente ao TCU, em Brasília, e à sede de Furnas, no Rio de Janeiro, para denunciar consequências desastrosas da privatização da maior companhia de energia do país

 Desde o início do processo de privatização, organizações sociais brasileiras já ingressaram com mais de 50 ações na Justiça e realizaram inúmeras manifestações, atos e audiências públicas para barrar a venda da estatal 

Durante toda a tarde de hoje, 18, militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e de outras organizações populares permaneceram em ato de protesto, enquanto acontecia a sessão do Tribunal de Contas da União (TCU) para análise sobre a privatização da Eletrobras. No fim do dia, a corte aprovou por 7 votos a 1 a continuidade do processo de venda da estatal, o que pode resultar na entrega da maior companhia de energia do Brasil ao capital privado ainda neste ano.  Militante, porém, afirmam que seguem em luta para derrotar o processo de privatização.

Participaram do ato de hoje representantes de sindicatos, do Coletivo Nacional dos Eletricitários, da Plataforma Camponesa Operária de Água e Energia – POCAE, da FUP, do MST, entre outras organizações sociais, além de muitos parlamentares.

Delegação do MAB no ato em Brasília com militantes de MG, DF e RJ

De acordo com Fernando Fernandes, coordenador do MAB, os movimentos permanecem em luta, debatendo o plano de mobilização contra as próximas etapas da privatização.

“A proposta é construir um novo plano de ações jurídicas e de lutas sociais para tentar impedir a conclusão do processo de venda da estatal na Bolsa de Valores, porque a Eletrobras é um patrimônio do povo brasileiro e nossa soberania não está `à venda”, disse.

O dirigente ainda ressalta a denúncia da subvalorização da Eletrobras pelo governo em mais de 67 bilhões, de acordo com o ministro Vital de Rego, que pediu vistas ao processo. O pedido foi negado.

De acordo com Gilberto Cervinski, coordenador do MAB, a privatização da empresa é criminosa e trará graves consequências à população brasileira, à soberania e à economia do país.

Com a privatização, a conta de luz poderá ficar cerca de 20% mais cara, segundo a própria Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O aumento, porém, pode ser ainda maior que esta previsão, pois atualmente a Eletrobras produz uma das energias mais baratas vendidas no país.

“Enquanto a estatal vende energia a R$ 65 por 1.000 kWh (quilowatt por hora), as companhas privatizadas cobram – em média – R$ 250 por 1.000 kWh” explica Cervinski.

Organizações denunciaram que privatização deve causar aumento de até 25% na conta de energia

Por isso, o Sindicato dos Urbanitários no Distrito Federal (STIU-DF), que integrou o protesto no TCU, avalia que a privatização da Eletrobras, entre outras coisas, causará o aumento de até 25% nas conta de luz dos brasileiros.

O impacto tarifário também deve causar graves consequências para a indústria do país, já que a energia é um dos principais insumos para o setor produtivo. Por isso, o aumento de mais de 20% da conta de luz pode fechar empresas e provocar desemprego em massa, além de causar aumento de preços de produtos brasileiros em geral.

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, a privatização vai gerar um prejuízo de R$ 460 bilhões de reais ao longo de 30 anos.

Outra consequência prevista é a precarização dos serviços da companhia que é responsável pela geração de 30% da energia do país, resultando na possibilidade de apagões como os que aconteceram após as privatizações do governo FHC, colocando em risco a segurança energética brasileira.

“Cabe a nós continuar com a luta nas ruas, nas redes e na Justiça até a derrota total desse projeto entreguista e a derrota da Bolsonaro nas urnas em em outubro. Vamos usar todas as medidas possíveis para reverter esse processo e continuar denunciando a entrega dessa empresa que vai causar uma série de impactos ao povo brasileiro”, conclui Fernando.

Conteúdos relacionados
| Publicado 13/05/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Cerca de 600 lideranças do setor energético se reúnem em plenária contra a privatização da Eletrobras

Na próxima semana, organizações sociais convidam os trabalhadores brasileiros para participarem de um ato presencial em frente ao TCU, no dia 18, para tentar reverter o processo de venda da estatal

| Publicado 12/05/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Movimentos sociais e sindicatos realizam plenária nacional para reafirmar a luta contra a privatização da Eletrobras

Organizações sociais e sindicais do país têm denunciado os impactos que a privatização causará na vida da população e conseguiram adiar a entrega da maior companhia de energia do país ao capital privado

| Publicado 03/09/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Plenária da POCAE discute cenário de crise no setor energético brasileiro

Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia (POCAE) convidou diferentes entidades e movimentos populares para analisar as causas e os impactos dos aumento dos preços da energia e dos combustíveis na vida dos brasileiros