Governo de Minas Gerais viola convenção 169 da OIT que protege povos tradicionais e entidades exigem revogação de medida

Em Carta Pública de Repúdio, pelo menos 80 comunidades tradicionais e organizações da sociedade civil denunciam inconsistências de resolução do governo de Minas Gerais que limita direito de comunidades tradicionais afetadas por grandes empreendimentos

No último dia 5 de abril, a Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Desenv. Sustentável  – SEMAD e a  Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social – SEDESE de Minas Gerais publicaram uma resolução conjunta que regulamenta o Direito de Consulta previsto na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e regulamenta a “Consulta, Livre, Prévia e Informada de Povos e Comunidades Tradicionais”. Entidades, porém, apontam que a resolução contém termos que favorecem os empresários que pretendem atuar em territórios tradicionais e intimida os atingidos pelos empreendimentos.

A resolução permite que empresas com interesses em instalar empreendimentos realizem a Consulta, limitando a liberdade das populações tradicionais com relação a autonomia sobre seu território. A medida também impõe prazos que desrespeitam o caráter livre e informado da consulta, entre outras violações dos direitos dos povos e comunidades.

Até agora 80 organizações e movimentos sociais assinaram uma Carta Pública em repúdio à Resolução do Governo de MG, exigindo a imediata revogação da medida.

📝 Leia a carta, assine e saiba mais aqui: https://bit.ly/37rhxxw

✊🏾 Some na luta dos povos e comunidades tradicionais de MG contra as violências cometidas pelo governo Zema e pelas empresas que ele favorece ilegalmente.

Conteúdos relacionados
| Publicado 13/04/2022 por Movimento dos Atingidos por Barragens

NOTA | Governo Zema desrespeita direito de consulta dos povos de comunidades tradicionais

Governo de MG viola Convenção 169 da OIT e entidades exigem revogação imediata da medida em carta

| Publicado 17/03/2022 por Coletivo de Comunicação MAB MG

As enchentes e as barragens no Alto da Bacia do Rio Doce: mesmo problema e qual a solução?

Dois meses depois das inundações nas cidades e comunidades próximas às barragens em Minas Gerais, os atingidos seguem sem suporte do poder público e das empresas responsáveis e com medo de que as tragédias se repitam na próxima estação chuvosa

| Publicado 18/03/2022 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Jornada de Lutas em MG: atingidos denunciaram impactos de enchentes de rejeitos e cobraram reparação integral

Nas bacias dos rios Doce, Paraopeba, Jequitinhonha e Pardo houve plenárias, caminhadas e atos em órgãos de justiça cobrando mais segurança nas barragens, reparação justa e programas geração de emprego e renda para os atingidos